Volkswagen Fox: O Porta malas pode amputar seu dedo

Donos do VW Fox perdem parte do dedo ao rebater o banco traseiro para ampliar o espaço do porta-malas. A notícia é da revista Época que pode ser conferida na íntegra no link ao final deste post.

Para rebater o banco traseiro do Volkswagen Fox o usuário tem que puxar uma alça flexível que fica presa numa argola de metal na parte de inferior do banco traseiro, rente ao assoalho do veículo.

A operação é simples. Os acidentes acontecem quando a pessoa coloca o dedo dentro da argola geralmente tentando puxar a alça que esteja sob o banco traseiro. Logo que o mecanismo é destravado, uma mola é acionada e recolhe a argola puxando junto o dedo do usuário violentamente para dentro. Já houve nos últimos 3 anos 8 casos de mutilações que resultaram em perda parcial do dedo neste tipo de acidente ao rebater o banco traseiro do VW Fox.

Há inclusive um nono caso de um usuário que, na tentativa de tentar tirar o dedo que foi puxado pela argola teve a outra mão esmagada pelo banco enquanto estava apoiada no assoalho do carro.

A coordenadora da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, Maria Inês Dolci, afirma que “Pela quantidade de pessoas prejudicadas com o mesmo problema, o recall já devia ter sido feito”.

A resposta da montadora quando questionada sobre o caso foi de que o sistema está dentro das normas de segurança e que o recall não será realizado.

O manual do veículo, que segundo a montadora instrui corretamente como utilizar o sistema, não alerta para a possibilidade de um acidente grave caso o usuário coloque o dedo dentro da argola. Segundo um engenheiro consultado pela revista Época há falha no projeto. Tanto que no Fox que é exportado para a Europa a argola não existe, não sendo possível a um usuário do veículo se acidentar desta forma.

Sete pessoas já teriam entrado na justiça devido aos acidentes causados pela utilização deste sistema de rebatimento do banco traseiro do VW Fox.

Veja a matéria completa da revista Época AQUI

Sobre o mesmo assunto encontrei o depoimento de um usuário do Fox que talvez esclareça um pouco mais sobre como o acidente acontece. Ele afirma que quando se rebate o banco pela primeira vez as alças que devem ser puxadas estão todas ao alcance das mãos estendidas sobre o assoalho do porta malas. Mas, ao rebater o banco as alças ficam escondidas sob o assoalho. Desta forma o quando o usuário vai repetir a mesma operação numa outra ocasião as alças estão fora de alcance. Então usuário na tentativa de puxar as alças para fora ele coloca o dedo dentro da argola o que provocaria o acidente.

A recomendação é que se tenha muito cuidado ao manusear esse mecanismo de rebatimento do banco traseiro.

Outra matéria sobre esse problema do carro da Volks pode ser encontrada no site da QUATRO RODAS Aqui neste Link

Atualização: Em nota no site da Volks ela esclarece:
“Tendo em vista as recentes reportagens publicadas na imprensa sobre o sistema de rebatimento do banco traseiro do Fox, a Volkswagen do Brasil vem reiterar aos seus clientes que a operação desse sistema é segura, bastando seguir corretamente as instruções contidas no Manual do Proprietário.
Com a certeza de que não existe problema com o sistema e que não se trata de caso de ?recall?, a Volkswagen, que acima de tudo respeita o compromisso assumido com a satisfação de seus consumidores, informa que, a partir da próxima semana, irá oferecer para todos os clientes que ainda tenham dúvidas a instalação gratuita de uma peça adicional que evita eventuais erros na operação de rebatimento do banco traseiro do Fox. Esse serviço poderá ser realizado em toda a Rede Autorizada de Concessionários Volkswagen.Com relação à diferença entre os modelos do Fox vendidos no Brasil e na Europa, esclarecemos que o banco do Fox europeu é bi-partido e exigiu uma solução técnica diferente. O Fox brasileiro com banco bi-partido possui o mesmo sistema do europeu. “
Veja no site da VW

Caça à Baleia: Austrália tem provas contra o Japão


O ministro australiano do meio-ambiente Peter Garrett declarou num canal de TV que tem provas fotográficas que poderiam ser usadas num processo judicial contra os baleeiros japoneses que estariam caçando baleias na Antártida.

As fotos tiradas por um barco do departamento de controle aduaneiro australiano mostram uma baleia com seu filhote mortas sendo arrastadas por uma rampa num baleeiro japonês.

Segundo o ministro:”É muito decepcionate, é angustiante pensar que pode levar uns 15 minutos para uma baleia morrer após ser acertada por um arpão e é ainda muito mais triste pensar que tem um filhote envolvido.”

O governo australiano tem condenado com frequência o governo japonês desde que foi retomada a caça às baleias com a chegada do verão.

O Japão deu início ao programa anual de caça aos cetáceos em novembro de 2007 sob o pretexto de ter finalidades científicas. A Comissão Baleeira Internacional já solicitou que o governo japonês pare com a caça às baleias e a Austrália tem fiscalizado sistematicamente os barcos pesqueiros japoneses.
O barco australiano ‘Oceanic Viking’ tem conseguido filmes que poderão ser utilizados algum dia em tribunais internacionais contra os japoneses.

No mês passado um juiz australiano declarou como ilegal a caça às baleias na reserva marítima da Austrália na Antártida. O governo japonês se nega a reconhecer esta determinação alegando que Camberra não teria jurisdição sobre esse território.

Fonte: PERIODISTA DIGITAL