A história do lápis e a Avó

O menino olhava a avó escrevendo uma carta. A certa
altura, perguntou:

– Você está escrevendo uma história que aconteceu
conosco? E por acaso, é uma história sobre mim?

A avó parou a carta, sorriu, e comentou com o neto:

– Estou escrevendo sobre você, é verdade.

Entretanto, mais importante do que as palavras, é o
lápis
que estou usando.

Gostaria que você fosse como ele, quando crescesse.

O menino olhou para o lápis, intrigado, e não viu nada
de especial.

– Mas ele é igual a todos os lápis que vi em minha vida!

– Tudo depende do modo como você olha as coisas. Há
cinco
qualidades nele que, se você conseguir mantê-las, será
sempre uma pessoa em paz com o mundo.

“Primeira qualidade: você pode fazer
grandes coisas, mas não deve esquecer nunca que existe uma
Mão que guia seus passos. Esta mão nós chamamos de
Deus,e
Ele deve sempre conduzi-lo em direção à Sua vontade”.

“Segunda qualidade: de vez em quando
eu preciso parar o que estou escrevendo, e usar o apontador.
Isso faz com que o lápis sofra um pouco, mas no final, ele
está mais afiado. Portanto, saiba suportar algumas dores,
porque elas o farão ser uma pessoa melhor.”

“Terceira qualidade: o lápis sempre
permite que usemos uma borracha para apagar aquilo que
estava errado.

Entenda que corrigir uma coisa que fizemos não é
necessariamente algo mau, mas algo importante para nos
manter no caminho da justiça”.

“Quarta qualidade: o que realmente
importa no lápis não é a madeira ou sua forma
exterior, mas
o grafite que está dentro. Portanto, sempre cuide daquilo
que acontece dentro de você.”

“Finalmente, a quinta qualidade do
lápis: ele sempre deixa uma marca. Da mesma maneira, saiba
que tudo que você fizer na vida, irá deixar traços, e
procure ser consciente de cada ação”.

Paulo Coelho

Anúncios

A polêmica dos domínios com.BR, am.br, fm.br e tv.br

Desde o dia 1º de julho de 2008 os domínios am.br, fm.br e tv.br foram liberados pelo Comitê Gestor da Internet (CGI) para serem registrados por quaisquer pessoas jurídicas no país.
A decisão desencadeou uma onda de tentativas de registros por parte de advogados de empresas que temem que os nomes e marcas de seus clientes sejam registradas por oportunistas que queiram lucrar revendendo esses domínios a preços elevados.
Em 1º de maio deste ano (2008) o Comitê gestor da Internet (CGI) já havia liberado os domínios .

com.br
(destinados a atividades comerciais genéricas na Internet) para serem registrados por quaisquer pessoas físicas através de um simples número de CPF. Até então esses domínios eram restritos a pessoas jurídicas (com CNPJ).

Já os domínios com as terminações “am.br“, “fm.br” e “tv.br“, somente podiam ser registrados por companhias com licença específica da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Esta liberação fez com que os oportunistas de plantão (que já estão sendo chamados de “cybergrileiros” , numa referência às fraudes envolvendo apropriação ilegal de terras) iniciassem uma corrida pelo registro de domínios de nomes consagrados como “discovery.tv.br“, “orkut.tv.br“, e “youtube.tv.br“, por exemplo conforme relataram advogados ao site Valor Online. A urgência das empresas para conseguir seus nomes de domínios e a demora no andamento dos processos judiciais fazem com que os oportunistas elevem às alturas os preços dos domínios já registrados por eles.

Segundo especialistas, essa apropriação indiscriminada de marcas reconhecidas pode ser utilizada para a prática de “fishing”, onde o site original é copiado com a intenção de captar senhas e informações confidenciais das pessoas que inadvertidamente os acessem.

A polêmica deve promover um aumento nos processos judiciais envolvendo nomes de domínios na Internet pois ainda não há uma instância administrativa ou uma câmara arbitral para resolver disputas por nomes de sites. A reivindicação que vem sendo levantada há tempos pelos especialistas em propriedade industrial é a criação de uma câmara arbitral brasileira para tratar essas questões a exemplo do trabalho que já vêm sendo realizado em esfera internacional pelo Centro de Arbitragem e Mediação da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (Ompi).

De acordo com o site Valor Online o presidente do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), responsável pelos registros de nomes de domínios e por implementar os projetos do comitê gestor, Demi Getschko, o objetivo da alteração na política de nomes até então adotada foi permitir que rádios comunitárias,canais de TV na Internet e outras iniciativas possam ter registrados os domínios “tv”, “am” e “fm”, até então restritos aos grandes veículos autorizados pela Anatel. Segundo Getschko
“As emissoras tiveram tempo para fazer o registro e a proteção já cumpriu o seu papel e o comitê estaria seguindo o modelo internacional de registros, que é muito menos restritivo.
O comitê Gestor da Internet tem ainda algumas novidades previstas para breve que deverá desburocratizar ainda mais o registro de domínios, como processo de liberação de forma automática, sem que seja necessário aguardar por tickets concorrentes. A fila de espera pela liberação seria restrita apenas para aqueles que tiverem nomes concorrentes de registro, o que reduzirá ainda mais o tempo de publicação e propagação de novos domínios.
As seguintes extensões de domínios continuam restritas a atividades específicas:.coop.br (cooperativas), o .edu.br (instituições de ensino), o .gov.br (entidades governamentais), o .mil.br (entidades militares), o .org.br, o .psi.br (provedores de internet) e o .
net.br
(empresas de comunicação multimídia, rede e circuito especializado ou detentoras de sistema autônomo conectado à internet).
Via:
http://www.cgi.br/
http://www.valoronline.com.br/
http://www.polkadots.com.br/
www.giselefaganellolahoz.com.br/

Boza – A Bebida Que Aumenta Os Seios

Uma bebida tradicional turca chamada Boza está atraindo europeus à Bulgária onde é comercializada. O motivo seria sua suposta capacidade de aumentar os seios femininos.

Depois que a Bulgária entrou na União Européia alguns impostos foram retirados do produto tornando seu preço especialmente atraente para os maridos que estão adquirindo-o para presentear suas esposas.

Boza já está virando moda nos bares e lojas na europa. A Bulgária tem uma eficiente estratégia de marketing para promover a bebida que já tem 900 anos de história. Boza é bastante consumida na Turquia especialmente nos dias frios para esquentar o corpo.

Sadık Vefa, proprietário da loja turca Vefa Boza (fundada em 1876) especializada em Boza não confirma que a bebida tenha o efeito de aumentar os seios femininos e acrescenta que se o tivesse ele Já teria notado as mudanças em sua própria esposa. Entretanto ele explica que a Boza por ser um fermentado a base de trigo (similar à cerveja), traz vários outros benefícios à saúde.

Ela contém quatro tipos de vitamina A e B além de vitamina E. Durante o processo de fermentação ela produz ácido lático que ajuda na digestão. Vefa afirma que é a primeira vez que ele ouve falar sobre crescimento dos seios mas que o efeito de aumento na produção de leite em mulheres grávidas já era conhecido.

O Dr. Savaş Çömlek disse em entrevista ao jornal turco Turkish Daily News que essa bebida pode aumentar os níveis de prolactina, hormônio responsável pela produção de leite o que causaria um aumento nos seios femininos.

Ele acrescenta entretanto que o mesmo efeito pode ser obtido através do consumo de morangos.

A boa notícia para o público feminino é que o departamento de engenharia de alimentos da Universidade Uludağ na Turquia estão trabalhando numa versão light da Boza que não deve demorar para chegar logo ao mercado.

Via: http://www.turkishdailynews.com.tr/article.php?enewsid=64173

A Vida Através Da Janela – Uma História Comovente

Dois homens, ambos gravemente doentes, estavam no mesmo quarto de hospital.

Um deles podia se sentar na sua cama durante uma hora, todas as tardes, para que os fluidos circulassem nos seus pulmões.

A sua cama estava junto da única janela do quarto. O outro homem tinha que ficar sempre deitado de costas.
Os homens conversavam horas e horas. Falavam das suas mulheres, famílias, das suas casas, dos seus empregos, dos seus aeromodelos, onde tinham passado as férias…
E todas as tardes, quando o homem da cama perto da janela se sentava, passava o tempo a descrever ao seu companheiro de quarto todas as coisas que conseguia ver do lado de fora da janela.
O homem da cama do lado começou a viver à espera desses períodos de uma hora, em que o seu mundo era alargado e animado por toda a atividade e cor do mundo do lado de fora da janela.
A janela dava para um parque com um lindo lago. Patos e cisnes, chapinhavam na água enquanto as crianças brincavam com os seus barquinhos. Jovens namorados caminhavam de braços dados por
entre as flores de todas as cores do arco-íris. Árvores velhas e enormes acariciavam a paisagem e uma tênue vista da silhueta da cidade podia ser vislumbrada no horizonte.

Enquanto o homem da cama perto da janela descrevia isto tudo com extraordinário pormenor, o homem no outro lado do quarto fechava os seus olhos e imaginava as pitorescas cenas.

Um dia, o homem perto da janela descreveu um desfile que ia passar:
Embora o outro homem não conseguisse ouvir a banda, conseguia vê-la e ouvi-la na sua mente, enquanto o outro senhor a retratava através de palavras bastante descritivas.

Dias e semanas passaram. Uma manhã , a enfermeira chegou ao quarto trazendo água para os seus banhos, e encontrou o corpo sem vida, o homem perto da janela, que tinha falecido calmamente enquanto dormia.

A enfermeira ficou muito triste e chamou os funcionários do hospital para que levassem o corpo.
Logo que lhe pareceu apropriado, o outro homem perguntou se podia ser colocado na cama perto da janela. A enfermeira disse logo que sim e fez a troca.

Depois de se certificar de que o homem estava bem instalado, a enfermeira deixou o quarto.
Lentamente, e cheio de dores, o homem ergueu-se, apoiado no cotovelo, para contemplar o mundo lá fora. Fez um grande esforço e lentamente olhou para o lado de fora da janela que dava, afinal, para uma
parede de tijolo!

O homem perguntou à enfermeira o que teria feito com que o seu falecido companheiro de quarto lhe tivesse descrito coisas tão maravilhosas do lado de fora da janela.
A enfermeira respondeu que o homem era cego e nem sequer conseguia ver a parede. Talvez quisesse apenas passar alguma coragem pra ele…

Moral da História:
Existe uma felicidade tremenda em fazer os outros felizes, apesar dos nossos próprios problemas.
A dor partilhada é metade da tristeza, mas a felicidade, quando partilhada, é dobrada.
Se vc quer se sentir rico, conta todas as coisas que você tem que o dinheiro não pode comprar.

‘O dia de hoje é uma dádiva, por isso é que o chamam de presente.’

O Haver – Poesia de Vinícius de Moraes

Aqui está um texto muito legal de Vinícius de Moraes, que eu considero um dos maiores gênios da literatura que já pisaram neste planeta.
O texto que já estava semi-esquecido em minha memória cada vez mais fraca e eu recebi por e-mail outro dia de um amigo.
Depois achei esse vídeo no Youtube e não resisti em publicá-lo aqui.
O violão que é ouvido no fundo além e alguns vocalises são executados por Edu Lobo. fantástico. Profundo. Genial.
Nesse mundo repleto de pressa e frivolidades permanentes, vale a pena parar,ler, escutar e refletir sobre este poema.

O Haver – Vinicius de Moraes
Resta, acima de tudo, essa capacidade de ternura
essa intimidade perfeita com o silêncio.
Resta essa voz íntima pedindo perdão por tudo.
Perdoai: eles não têm culpa de ter nascido.
Resta esse antigo respeito pela noite
esse falar baixo
essa mão que tateia antes de ter
esse medo de ferir tocando
essa forte mão de homem
cheia de mansidão para com tudo que existe.
Resta essa imobilidade
essa economia de gestos
essa inércia cada vez maior diante do infinito
essa gagueira infantil de quem quer balbuciar o inexprimível
essa irredutível recusa à poesia não vivida.
Resta essa comunhão com os sons
esse sentimento da matéria em repouso
essa angústia da simultaneidade do tempo
essa lenta decomposição poética
em busca de uma só vida
de uma só morte
um só Vinícius.
Resta esse coração queimando
como um círio numa catedral em ruínas
essa tristeza diante do cotidiano
ou essa súbita alegria ao ouvir na madrugada
passos que se perdem sem memória.
Resta essa vontade de chorar diante da beleza
essa cólera cega em face da injustiça e do mal-entendido
essa imensa piedade de si mesmo
essa imensa piedade de sua inútil poesia
de sua força inútil.
Resta esse sentimento da infância subitamente desentranhado
de pequenos absurdos
essa tola capacidade de rir à toa
esse ridículo desejo de ser útil
e essa coragem de comprometer-se sem necessidade.
Resta essa distração, essa disponibilidade,
essa vagueza de quem sabe que tudo já foi,
como será e virá a ser.
E ao mesmo tempo esse desejo de servir
essa contemporaneidade com o amanhã
dos que não tem ontem nem hoje.
Resta essa faculdade incoercível de sonhar,
de transfigurar a realidade
dentro dessa incapacidade de aceitá-la tal como é
e essa visão ampla dos acontecimentos
e essa impressionante e desnecessária presciência
e essa memória anterior de mundos inexistentes
e esse heroísmo estático
e essa pequenina luz indecifrável
a que às vezes os poetas tomam por esperança.
Resta essa obstinação em não fugir do labirinto
na busca desesperada de alguma porta
quem sabe inexistente
e essa coragem indizível diante do grande medo
e ao mesmo tempo esse terrível medo de renascer
dentro da treva.
Resta esse desejo de sentir-se igual a todos
de refletir-se em olhares sem curiosidade, sem história.
Resta essa pobreza intrínseca, esse orgulho,
essa vaidade de não querer ser príncipe senão do seu reino.
Resta essa fidelidade à mulher e ao seu tormento
esse abandono sem remissão à sua voragem insaciável.
Resta esse eterno morrer na cruz de seus braços
e esse eterno ressuscitar para ser recrucificado.
Resta esse diálogo cotidiano com a morte
esse fascínio pelo momento a vir, quando, emocionada,
ela virá me abrir a porta como uma velha amante
sem saber que é a minha mais nova namorada.